Vida, Bandida Vida: A Estagiária – Parte II

Estava estampado naquele rostinho de aspirante a deusa grega sua função no mundo, a destruição, de lares, de sonhos, de sono, de concentração, de desejos…afinal, que outra vontade poderia superar a ânsia de fincar ali sua bandeira como um astronauta da Apolo onze ao chegar à lua em sessenta e nove ou um alpinista que enfrenta todos os perigos e ignora o histórico de dezenas de mortes e membros amputados para atingir tal objetivo.

Ele compreendeu de uma nova forma a lei de ação e reação ao ver as mulheres enciumadas do local investirem tempo e dinheiro em roupas novas e toneladas de cosméticos. Nada capaz de transformar as já conhecidas faces em algo deslumbrante ao ponto de ofuscar a estrela do momento (Apesar da Avon afirmar o contrário). Semanas depois foi a vez dos homens (Sempre atrasados nas reações, o que evidencia que a espécie não foi extinta graças às atentas fêmeas) mas as melhorias se limitavam a barbas feitas e colônias fedorentas.

Até então passava incólume, era a gota de óleo que não se misturava a toda aquela água que rodeava e acolhia suavemente o tubarão, mas chegou o dia de testar suas convicções. Colocados lado a lado, ele, o exímio especialista em redação oficial, ela, a aprendiz distraída que ao perder um detalhe apoiava a palma da mão no joelho do mestre momentâneo para interromper e fazer perguntas. A cada toque, uma descarga elétrica percorria a espinha de nosso herói, o potencial energético daquele contato sendo comprovado por movimentos involuntários em uma extremidade oculta. O tema lhe escapava a mente, as palavras fugiam e a explicação se tornava insuficiente resultando em novas interrupções que alimentavam todo o sistema mais uma vez. A espada em riste, de forma deveras paradoxal, simbolizava o fim da brava resistência. O até então honrado guerreiro começava a sucumbir!

Anúncios

Vida, Bandida Vida: A Estagiária – Capítulo I

O tormento começou no trabalho, até então ele tinha uma vida tranquila como sempre desejara. A mulher, esposa maravilhosa, cuidava da casa e dele muito bem. Filhos ainda não tinham, a grana era curta, quem sabe no fim do ano viesse a promoção?
O carro velho continuava o mesmo, assim como as roupas surradas da rotina do labor.
Não havia surpresa, o plano perfeito para vida, assim como a equação que a sociedade sempre o ensinou: trabalho (duro) + família = felicidade. Faltava pouco para conseguir, ele sentia isso mas nunca reparou que a sensação seria sempre essa e que a equação passada carecia de outros elementos, apenas acreditava como a maioria e vez ou outra jogava na sena.

Estava tudo bem até a chegada dela, a estagiária, no auge dos seus dezoito anos, loira como toda “tentação de satã” deve ser, olhos azuis como o céu da forma que todo anjo deve ter, a fala melodiosa saindo da pequena e carnuda boca rosada como o canto de uma sereia, pronta para destroçar em rochas o navio de quem acreditava navegar águas seguras.
Se fosse escrever (coisa que não fazia desde o ensino médio) sobre a chegada dela, não saberia se descreveria como um furacão que sacudiu todo homem da repartição ou como uma surpresa ao pé da árvore de natal, daquelas discretas, embrulhada em um papel brilhante vermelho com laço verde tão cintilante quanto o outro.

Herói, evitou a proximidade, aquele tubarão com cara de peixinho dourado não cortaria a superfície de suas águas calmas com sua barbatana. Aquele era um cara 99,9% imune aos encantos daquela ninfa dos sonhos…malditos 0,01%.

Piada ruim…

Olhe bem a imagem, mais precisamente, o horário…


80% às08:23…para quem se levanta às 06:30 e gasta uns quarenta minutos se arrumando, mais uns 15 comendo, 6 minutos indo até o ponto de ônibus e pega serviço às 8:00 horas…quanto tempo restou  para consumir 80% do pacote?

Hora de cogitar um upgrade no plano kkkkk!

Viajando no “bom trabalho!”

Logo cedo recebo uma mensagem da namorada: “…bom trabalho!”. A minha resposta: “trabalho e bom na mesma frase? Impossível!”, mas não parou na brincadeira, trabalho é uma obrigação que nos fazem acreditar ser opção.
Sempre trabalhamos pelo nosso sustento, desde as cavernas é verdade, mas nunca foi gostoso, seja com um chicote verdadeiro e correntes nos tornozelos ou a pressão e as amarras da sociedade.
Fazer o que gosta? Mais uma mentira bem vendida, muito diferente de ganhar grana com uma diversão, tornar o que se gosta obrigação estraga tudo, não faz sentido.
Abrir uma folha com a liberdade para desenhar é diferente de pegar o lápis com parâmetros definidos, não se compara.
Eu estou indo para o trabalho e meu plano para o futuro a curto prazo perfeito com certeza inclui a hora de sair do meu martírio diário, mas, e a grana? Sentiu a obrigação? Água tem preço, comida tem preço, meios de produção tem preço, terra tem preço (Bem alto por sinal!).
Estão comprando tempo de nossa vida, mas se eu não quiser vender, eu vivo?

Índice de Contos, Crônicas e Reflexões

Para facilitar a vida dos leitores e também a minha, vou deixar esse post com os links de todos os contos do blog em ordem cronológica! Ele pode ser acessado pelo link que fica em cima (Índice Geral) e será atualizado toda vez que um novo texto for postado. Não deixe de ler e comentar cada um deles, ok? Abraço e muito obrigado pela visita!

1 – Os Perigos da Lua Cheia (Contos de Taverna)

O projeto Contos de Taverna reúne contos criados para servir de plano de fundo em um livro de fantasia medieval, mas o projeto está parado :(.

2 – A Premonição

Esta é uma história que faz parte do meu livro Zumbis: Epidemia Mortal, segundo título da Série Zumbis.

3 – Na Estação

O primeiro dos meus contos inspirados em situações cotidianas.

4 – Rede dos Desejos

Sobre um relacionamento em decadência e a internet.

5 – Conto de Um Qualquer – Reflexões

Pensamentos mórbidos.

6 – Casamento da Princesa – Falsa Promessa nos Contos de Fada

Uma crônica onde falo dos contos de fada e sua influência nas relações das mulheres. Obs: O personagem/ Narrador é uma mulher.

7 – O Cavalo Azul (Contos de Taverna)

O projeto Contos de Taverna reúne contos criados para servir de plano de fundo em um livro de fantasia medieval. Este foi criado ao acaso (estilo repente…rs) e o coloquei entre os demais do projeto, é uma estória infantil e como o anterior (Perigos da Lua Cheia) procura dar explicações para fenômenos e particularidades da natureza em um mundo de conhecimento científico bastante limitado.

8 – Perdido

Conto sobrenatural.

9 – Mais um Dia

Crônica.

10 – Escuro

Crônica/ Reflexão sobre a condição humana.

11 – A Sutil Arte de Jogar Merda no Ventilador

Poema cômico.

12 – Virei Bruxo

Texto ganhador da segunda colocação no Concurso Desventuras em Books.

13 – Dia de Decisão

Conto sobre futebol e violência.

14 – Eu Zumbi, Você Zumbi…Nós Zumbis.

Reflexão sobre a realidade dos Zumbis, ou será a nossa?

15 – Quero Dormir

Reflexão.

16 – Reflexos

Conto de terror.

17 – O Tempo e os Erros

Reflexão.

18 – Quem Quero Ser

Reflexão.

19 – Hoje é o seu dia

Crônica sobre aniversário.

20 – O Calor da chuva

Crônica.

21 – O Medo da Morte

Reflexão.

22 – Morte na Praia (O Corpo)

Crônica sobre a valorização do corpo e banalização da violência.

A Sutil Arte de Jogar MERDA no Ventilador

De tanto aturar lambanças alheias,

Uma hora o “copo transborda”,

Cansado das “caras feias”,

Daquele que não concorda.

Nesta hora, bate a loucura,

A ira acumulada,

Faz  perder a compostura,

Quando começa, não para,

E depois de feito, não há cura!

Merda no ventilador,

Palavras ao vento,

Não guarde ódio ou rancor,

Isso faz mal por dentro.

Coloque tudo pra fora,

Jogue pro alto sem medo,

“Rasgue o verbo” na hora,

Lute por seu sossego!

Merda no ventilador é arte,

Sutil maneira de alívio,

Que da vida faz parte,

E muito bem faz ao convívio.

Tire o peso de seus ombros,

Dê a todos sua parcela,

Que não se façam de tolos,

Cada um leve sua merda.

Imagem